Aberto edital para cidade sede 2020

Logo 1ª Mostra de Dança Nacional - BLOG -2

EDITAL DE SELEÇÃO DE CIDADE SEDE

V Mostra Nacional de Dança Espírita – 2020

 

A Mostra Nacional de Dança Espírita tem se constituído em evento de grande relevância para difusão da linguagem da dança espírita nas diferentes regiões do país, buscando reunir o maior número de grupos e artistas espíritas da dança, favorecendo assim as trocas de experiências, os momentos de estudo e reflexão, somada a prática. Para sua realização, a cidade sede deve contar com estrutura compatível com as necessidades do evento, que acontecerá em feriado prolongado no segundo semestre. Portanto, há a necessidade do estabelecimento de requisitos indispensáveis à adequada organização, como meio de contribuir para o sucesso de um evento grande, itinerante, que contempla a participação de diferentes faixas etárias, incluindo a presença intensa do público infanto-juvenil, pessoas com necessidades especiais, além de obrigatoriamente atender a uma estrutura específica à linguagem da dança.

 

Dessa maneira, o presente edital apresenta o processo de escolha e os pré-requisitos mínimos de candidatura à Cidade Sede da Mostra Nacional de Dança Espírita.

 

Das inscrições:

 

Artigo 1º – O período de inscrições é de 01 de Maio a 31 de Julho de 2018.

 

Artigo 2º – Para participar da seleção as cidades/grupos/instituições deverão ter como pré-requisito:

 

  1. a) Trabalhadores da Equipe de Coordenação da Cidade Sede declaradamente espíritas e atuantes no movimento espírita regional.

 

  1. b) Equipe de trabalhadores envolvidos com a prática espírita, contendo no mínimo uma pessoa dentre elas envolvida diretamente com a linguagem da dança, preferencialmente com o movimento de dança espírita, para atuar diretamente junto à coordenação da Cidade Sede;

 

  1. c) Condições de atender às necessidades técnicas e estruturais da Mostra Nacional de Dança Espírita especificadas abaixo ou de viabilizá-las com antecedência, considerando o número mínimo de 300 participantes;

 

  1. d) Arcar financeiramente com os custos da MNDE que não são cobertos pelo valor das inscrições (em caso de dúvidas entrar em contato com a coordenação geral do evento);

 

Artigo 3º – As cidades/grupos/instituições proponentes devem enviar para a Coordenação Geral da Mostra Nacional de Dança Espírita (e-mail: coordenação.mnde@gmail.com) um projeto contendo as seguintes informações:

 

  1. a) Justificativa de interesse em sediar a Mostra Nacional de Dança Espírita endossada por instituição/federativa proponente e/ou parceira;

 

  1. b) Listagem nominal da equipe proponente, com telefone e e-mail, instituição espírita a que está vinculado e responsável junto à área de dança dentro da equipe;

 

  1. c) Listagem de instituições espíritas parceiras ou proponentes se assim for;

 

  1. d) Descrição das condições estruturais e técnicas disponibilizadas para realização do evento (vide artigo 4º);

 

  1. e) Documento assinado comprovando o conhecimento de todas as obrigações assumidas pela Cidade Sede;

 

Artigo 4º ­ A proposta da cidade sede deverá constar necessariamente, de:

 

  1. a) Sugestão de Infraestrutura para realização do evento:

 

  1. Quantidade de salas para dormitório e estudo que comportem o número mínimo de 300 participantes; sendo preferencialmente os dormitórios usados somente para este fim (sem rodízio de salas – dormitório/estudo);

 

  1. Mínimo de 10 salas com boa ventilação mecânica (de preferência) ou refrigeração, para estudo e oficinas práticas – as salas devem comportar 20 pessoas (deitadas e com braços e pernas abertos – medida estimada para aulas);

 

  1. Mínimo de 20 salas para dormitório com boa ventilação mecânica (de preferência) ou refrigeração; sendo que cada uma contará com o número de 15 à 20 participantes (bagagem e colchonetes);

 

  1. Estrutura de alimentação no próprio local – tanto para preparo (preferencialmente) como para servir as refeições;

 

  1. Estrutura de higiene – quantidade de banheiros femininos e masculinos suficiente para atender o número de participantes, considerando em específico os horários de banho (número mínimo de seis chuveiros femininos e seis chuveiros masculinos em perfeitas condições de uso)

 

Obs: Em caso de ser inverno nessa cidade e região, também deverá ser disponibilizado chuveiros elétricos para banho quente;

 

  1. Auditório com capacidade mínima para 300 pessoas sentadas – a ser utilizado para palestras/exposições/mostra artística aberta ao público;

 

  1. Quadras poliesportivas para circulação de pessoas nos momentos de intervalo, realização de atividades físicas, etc;

 

  1. Anfiteatro ou Teatro com capacidade mínima para 400 pessoas, palco com metragem mínima de 5×8 (5 metros de profundidade por 8 de largura, estrutura de entrada e saídas do palco (coxias), estrutura de iluminação e som básica; camarins com espaço adequado para acolher mais de um grupo para troca de roupas e banheiros em condições de uso pelos participantes (artistas e plateia);

 

  1. Caso o local do evento não conte com estrutura de palco/teatro para apresentações, a cidade sede deverá propor alternativas viáveis considerando mecanismos para o transporte/traslado dos participantes (do evento ao local das apresentações e retorno ao evento) que não venha a prejudicar a programação.

 

  1. b) Mencionar Infraestrutura de transporte:

 

  1. Malha hidroviária, aérea e rodoviária que permita acesso adequado a todos.

 

Parágrafo Único ­ O proponente poderá indicar propostas alternativas e viáveis aos itens anteriores quando a cidade/instituição/grupo não disponibilizar de tais estruturas/recursos.

 

Artigo 5º ­ O processo de seleção se dará da seguinte forma:

 

  • 1º de maio a 31 de julho de 2018: prazo para que as cidades interessadas em sediar a IV Mostra Nacional de Dança Espírita remetam seus projetos, de acordo com as instruções deste edital;
  • 1° a 31 de agosto de 2018: período para que a Coordenação Geral avalie, escolha e divulgue a próxima cidade sede;

 

Artigo 6º Os casos omissos no presente edital serão deliberados e resolvidos pela Equipe de Coordenação Geral da Mostra Nacional de Dança Espírita

 

 

Equipe de Coordenação Geral

IV Mostra Nacional De Dança Espírita

EDITAL_V MNDE

 

Anúncios

Seja bem vindo

cropped-cropped-cropped-logo-1c2aa-mostra-de-danc3a7a-nacional-blog-2.jpg

PASSO A PASSO PARA A INSCRIÇÃO

1 – Na aba INSCRIÇÕES 2018, clique em “Inscrição Individual” e preencha.

2 – Faça o pagamento da inscrição – vide dados no regulamento

3 – Na aba DOWNLOADS, baixe a autorização, imprima e preencha de próprio punho.

4 – Envie um e-mail para mostranacionaldancaespirita@gmail.com , anexando a autorização scanneada e o comprovante de depósito.

5 – Assim que seus dados forem conferidos pela equipe de secretaria, seu nome aparecerá na aba INSCRIÇÕES CONFIRMADAS. Pronto! Você garantiu sua vaga na IV MNDE.

P.S. – Todas as informações detalhadas constam na aba REGULAMENTO.

 

 

Mostra Nacional de Dança Espírita

A MOSTRA

Este slideshow necessita de JavaScript.

IMAGENS DA I MOSTRA NACIONAL DE DANÇA ESPÍRITA EM VITÓRIA- ES EM 2012

 

A Mostra Nacional de Dança Espírita – MNDE é um evento espírita, bienal, itinerante e realizado em regime integral. É constituído de momentos de estudo sobre a dança e oficinas teórico-práticas alicerçados na Doutrina Espírita, exposição de painéis de socialização de experiências, apresentações artísticas e fórum de coordenadores e lideranças do movimento espírita de dança.

É um evento aberto à participação de dançarinos, coreógrafos e grupos de dança espírita, artistas de outras linguagens, bem como simpatizantes e interessados, sejam evangelizadores, dirigentes de federativas e casas espíritas, bem como demais trabalhadores que queiram conhecer a dança espírita.

A Mostra não possui qualquer caráter de competitividade, embora as apresentações artísticas inscritas passem por uma seleção prévia, sendo avaliadas quanto aos aspectos estéticos e doutrinários, buscando manter os objetivos e princípios norteadores do evento.

Relembrar é viver…

Abertura da I Mostra Espírita de Dança “Oficina do Espírito” – Outubro, 2001

“…nesta noite Senhor da Vida, aqui estamos nós, reunidos em teu nome. Herdeiros do Teu amor, também herdamos o dom de criar. Embora a pequenez com que ainda nos debatemos em nosso estágio evolutivo, queremos louvar-Te através da arte, através da música, da expressão dos nossos corpos, que buscam vibrar em sintonia Contigo Senhor, retratando a gratidão que nos vai no coração, pela vida que nos dás, pelo amor que sentimos.

Senhor da vida, abençoa-nos o propósito de segui-Lo, de buscar-Te através da beleza da arte, de buscar-Te por toda parte.

Nesta noite em especial Senhor, buscamos retratar em cada espetáculo o que nos vai no coração, a beleza do que sentimos por Ti, Nosso Pai.

A beleza que vai em nosso coração de filho, filho que te ama e que te busca, através dos séculos, dos milênios.

Receba Senhor, estas nossas pequeninas oferendas, feitas de arte, feitas de carinho, feitas especialmente de amor.

Que os nossos corações todos possam vibrar, e vibrar, e vibrar em sintonia Contigo, nas notas das melodias, dos gestos, da expressão de cada corpo, na expressão de cada coração, na vibração de cada alma.

Muito obrigado, Senhor!

Prece proferida por Walter Oliveira Alves, na abertura da I Mostra Espírita de Dança “Oficina do Espírito” em Araras/SP em 05 de Outubro de 2001.

Dança Espírita brasileira está em festa

Amanhã, 29/04 inicia-se mais uma edição da Mostra Espírita de Dança “Oficina do Espírito”

por Daniela L. P. Soares

Há aproximadamente 16 anos atrás, acontecia a I Mostra Espírita de Dança “Oficina do Espírito”, na pacata cidade de Araras, interior de São Paulo.

Não por acaso, no Instituto de Difusão Espírita – IDE, sigla e nome sugeridos por Francisco Cândido Xavier, em 1963* .

O IDE tem a missão de difundir, propagar, divulgar, espargir, irradiar a Doutrina Espírita, mas ouso dizer, que o faz também nas tarefas que desenvolve na Evangelização de crianças e jovens, cuja arte em suas diferentes linguagens é elemento presente dentro do processo de evangelização e também  na forma de oficinas/grupos que se reúnem especificamente para o “fazer arte na casa espírita”. Lá  a arte transborda e envolve todas as idades.

As crianças e jovens são protagonistas também em várias tarefas da casa, e conduzidos paulatina e carinhosamente pelos trabalhadores mais experientes, em tarefas para atuarem na evangelização, passe, palestras, assistência social, entre outros.

A I Mostra Espírita de Dança brasileira ou talvez a primeira mostra de dança espírita do mundo, não poderia deixar de nascer dentro deste centro espírita tão discreto e em uma cidadezinha tão acolhedora e entre aspas tampouco conhecida.

Nasceu num dos grupos pioneiros da dança espírita, o Grupo Espírita de Dança Evolução (1995), que desde sempre se reuniu para ser um grupo que trabalhasse exclusivamente com a linguagem da dança, alicerçada na Doutrina dos Espíritos.

Outra característica marcante do grupo, foi que desde a sua fundação, sempre houve a preocupação para ações voltadas a difusão da dança no meio espírita. (Coincidência?!)

A criação da mostra pelo GEDE  em 2001, também teve o objetivo da difusão desta linguagem artística no movimento espírita, além de tentar descobrir se existiam outros grupos com o mesmo objetivo. Criado em 1995, o GEDE nunca tinha ouvido falar em outros grupos de dança espírita até então.

A grande inspiração veio também dos amigos queridos que nos antecederam, e ainda hoje realizam o FECEF** – Festival da Canção e Arte Espírita de Franca/SP, dos amigos de Santos/SP com a Mostra Maria Máximo e dos amigos de Indaiatuba/SP que realizam o mês do teatro espírita.

Participando e assistindo estes encontros, já imaginávamos como seria um encontro só de dança espírita, como já faziam os amigos da música e do teatro. Essa é uma eterna gratidão que trazemos no coração.

Assim nasceu a I Mostra Espírita de Dança “Oficina do Espírito”. Passado o último dia de inscrição, não haviam chegado correspondências com as fichas e vídeos cassetes das coreografias para seleção – naquela época não existia as facilidades das inscrições online.

Alguns dias depois, e para a felicidade de todos do grupo, começaram a chegar envelopes datados do último dia do prazo (é praxe dos grupos fazerem suas inscrições faltando um minuto para as 00:00 horas) – Grupo Espírita de Dança Graça & Luz (SP/SP), Casas André Luiz (SP), JECAL – Jovens Espírita a Caminho da Luz, Grupo Sáphyra (PE), Grupo Arte & Vida (Franca/SP), APAE (Araras).

No dia 05 e 06 de Outubro de 2001, mais que uma mostra espírita de dança, materializava neste plano da vida também um movimento para a difusão da dança espírita. Descobrimos que existiam outros grupos! …e que felicidade indescritível é você identificar no outro um irmão cujo coração pulsa no mesmo ideal, que fala a mesma linguagem da tua alma!

Assim os grupos começaram se unir nas mostras, locais onde podiam mostrar sua arte, muitas vezes barrada na casa espírita, onde havia troca de ideias, estudos sobre a arte e a dança à luz da Doutrina Espírita, onde haviam oficinas de aprimoramento técnico, onde se buscava desde o início uma pedagogia do movimento que viesse ao encontro daquilo que acreditávamos… Onde os abraços se tornavam mais do que cumprimentos, mas apelos silenciosos “Continue meu irmão, estamos juntos!”

Esta primeira mostra foi descrita como mágica, por grupos e espectadores.

Após a sensível prece proferida pelo amigo Walter Oliveira Alves, apoiador das artes na evangelização, as luzes se apagaram. Os adultos e idosos do grupo despontaram no palco e os jovens sentados estrategicamente no meio da plateia, começaram a se levantar e dançar sobre as cadeiras do salão do IDE, que comportava na época quase 400 lugares e estava lotado.

Os grupos vindos de outras cidades e estado para a apresentação, ficaram do lado de fora do salão. Não havia assentos livres e assistiram espiando pelo vidro da porta que dava acesso ao espetáculo.

Ao final, nossas crianças do grupo, surgiram no palco e todos os demais se juntaram a elas. Difícil descrever. Assistir o vídeo não consegue traduzir a emoção de quem vivenciou este momento único.

Era o início do movimento espírita de dança, o início de muitas mostras que despontaram anos de depois no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e que deram origem a I Mostra Nacional de Dança Espírita em 2012 em Vitória,ES.

As mostras estaduais continuam com o objetivo de fortalecer e difundir a dança espírita nessas regiões brasileiras. A nacional é ponto de encontro de artistas espíritas da dança de todo país – itinerante, para auxiliar na difusão da dança espírita de norte a sul do país.

As mostras tem um significado muito importante para o movimento de dança espírita brasileiro, porque é momento de reencontro de quem ainda luta para dizer que além da beleza da música, do teatro, da literatura, existe uma linguagem que dispensa traduções, é universal e é tão valiosa quanto todas as outras.

Em qualquer lugar do mundo você assiste um espetáculo dança e esta te provoca um sentimento, uma emoção, toca o mais profundo da tua alma, sem utilizar palavra alguma.

Nas mostras, mais que dançamos, discutimos assuntos específicos da nossa linguagem, buscamos capacitação e embasamento teórico–doutrinário em nossa querida Doutrina e teórico, técnico e artístico nos estudiosos da área que coadunam com aquilo que vivenciamos e acreditamos.

Amanhã (29/04) realiza-se a XII Mostra Espírita de Dança “Oficina do Espírito”, entusiasmo, alegria e empenho na construção de cada detalhe para a recepção de dançarinos e interessados na dança espírita do Estado de São Paulo e de muitos outros lugares do país.

Gratidão aos amigos do Instituto de Difusão Espírita, que acolhe e apoia este trabalho durante todos esses anos, ao Grupo Espírita de Dança Evolução, aos artistas espíritas da dança de todo país que formam a alma deste movimento que enxerga a vida pelos olhos da dança.

A dança espírita brasileira está em festa! Sigamos avante e confiantes!

De Araras amanhã irradiarão luzes dançantes para todo o Brasil! É a arte espírita eclodindo e já recebendo nossos pequenos grandes artistas na Pátria do Evangelho, com a sublime  tarefa de espiritualização da arte em nosso orbe.

Alegria em nossos corações! Gratidão a Jesus!

Dança Espírita: Luz no palco! Luz na vida!

Vídeo produzido para I Mostra Nacional de Dança Espírita em 2012

[*] No ano de 1963, Francisco Cândido Xavier ofereceu a um grupo de voluntários, o entusiasmo e a tarefa de fundarem um Anuário Espírita. Nascia, então, o Instituto de Difusão Espírita, cujo nome e sigla foram também sugeridos por ele.
A partir daí, muitos títulos foram sendo editados e o Instituto de Difusão Espírita, entidade assistencial, sem fins lucrativos, se mantém fiel à sua finalidade de divulgar a Doutrina Espírita através da IDE Editora, tendo como foco principal, as Obras Básicas da Codificação, sempre a preços populares, além dos seus mais de 300 títulos em português e espanhol, muitos psicografados por Chico Xavier.
O Instituto de Difusão Espírita, conta, também com outras frentes de trabalho, voltadas à assistência e promoção social, como o Albergue Noturno, evangelização, alfabetização, orientação para mães e gestantes, oficinas de enxovais para recém-nascidos, entrega de leite em pó, vestuário e cestas básicas, assistência médica, farmacêutica, odontológica, tudo gratuitamente.

 

[**] O FECEF – Festival da Canção e Encontro da Arte Espírita em Franca – é um encontro nacional, realizado a cada dois anos, que reúne artistas espíritas e pessoas ligadas à arte, com o objetivo de sensibilizar e aprimorar o gosto pela arte com temática espírita, através da confraternização e o intercâmbio. Reúne aproximadamente 350 participantes e nestes anos de existência tornou-se expressivo ponto de referência para realizações artísticas e culturais do movimento espírita brasileiro. Criado em 1981, o então Festival da Canção Espírita de Franca, visava divulgar e incentivar a criação de músicas com temática espírita na busca da qualidade e pureza doutrinária. Depois da edição de 1983, por vários motivos o FECEF deixou de ser realizado, até que em 1990, este grupo de jovens espíritas francanos resolveu juntar forças e realizar o III FECEF. Algumas mudanças foram implantadas, entre elas, talvez a mais importante foi a de fazer do FECEF um encontro de todas as artes, e não só de música, surgindo assim o Festival da Canção e Encontro da Arte Espírita em Franca. O objetivo maior deste encontro é contribuir efetivamente para elevar o padrão ético e estético de nossas produções artísticas, e reforçar o papel fundamental da arte na educação e verdade e do bem, despertando e aprimorando o dom de criar para o desenvolvimento do homem integral, em sua relação consigo, com o próximo e com Deus.